Os Deuses Brancos Alienígenas dos Mesoamericanos

Os Deuses Brancos Alienígenas dos Mesoamericanos

Como a raça humana passou no teste do tempo? Nós conseguimos nos virar nessa caminhada sem nenhuma ajuda, ou fomos na verdade guiados por alguns seres extraterrestres que nos ajudaram a crescer e prosperar inspirados em seus reflexos?

De acordo com muitas lendas e crenças, os ‘Deuses Brancos” vieram para a Terra e ajudaram a humanidade a desenvolver e prosperar, nos oferecendo muitas formas de conhecimento.
Quetzalcoatl é tido como um dos primeiros ‘deuses brancos’ a visitar o nosso planeta. Ele foi um dos deuses mais importantes da antiga Mesoamerica, e era conhecido como ‘Kulkulkán’ pelos Mayas, ‘Gucumatz’ pelos Guichés da Guatemala, e como ‘Ehecatl’ para os Huastecas do Golfo do México, como nos conta o site LockLip.
Baseado no folclore mesoamericano, Quetzalcoatl é quem criou o mundo e a humanidade, e era considerado o deus do vento e da chuva, além de também ser conhecido pela arte de estruturação e cultura, sendo reconhecido como o organizador da sociedade.
Desde do ano de 1200 no México Central, ele foi considerado o deus do aprendizado, da agricultura, ciência e arte, sendo também o padroeiro dos mercadores, após ter descoberto o milho com a ajuda de uma formiga vermelha gigante que o levou para uma montanha cheia de grãos e sementes.
Uma formiga vermelha gigante? Que formiga seria essa? A forma dos nativos descreverem uma nave espacial?

quetzalcoatl1-To-no-CosmosQuetzacoatl significa “Serpente Emplumada”, um nome equivalente à crença de que seria um ser oriundo de outro planeta.
Devemos lembrar que de acordo com as pinturas e esculturas dos Maias, muitas estruturas surgiram durante aquele período que se parecem com naves espaciais do século 21. Desenhos e representações encontradas nas esculturas mostram seres usando vestimentas muito parecidas com roupas espaciais dos astronautas atuais, e também a aparência de um modo geral.
Reza a lenda que Quetzalcoatl se queimou e desapareceu nos céus em direção ao planeta conhecido hoje como Vênus.

Se queimou? Será que sua nave rumou aos céus em uma velocidade acelerada deixando rastros de fogo?
Quetzalcoatl é descrito como de boa aparência, com barba e alto, usando uma cabeça de serpente escondendo sua aparência humana. Sua mais antiga imagem ainda existente vem da civilização Olmeca, com uma escultura em La Venta.
A deidade era comumente descrita em decorações esculturais, aparecendo em outras áreas, como em Xochivalco, Teotihuacan, porém nunca sendo representado com uma forma humana antes do períodio pós-clássico.

quetzalcoatl-To-no-CosmosA partir de 1200, Quetzacoatl começou a ser representado em sua forma humana e quase sempre usando joias feitas de conchas e um chapéu em forma de cone.
O escritor Robert F. Marx, escreveu amplamente sobre o conceito dos ‘deuses brancos’, chegando à conclusão de que eles estão presentes em quase todas culturas indígenas nas Américas.
Após sua jornada na América do Sul, o escritor britânico Harold Wilkins, fala de uma extinta raça branca que ocupou a América do Sul em tempos passados, ajudando os indígenas a cultivarem comida, erguer suas pirâmides junto com outras grandiosas estruturas, as quais seriam impossíveis de serem construídas considerando a falta de conhecimento e ferramentas da época. Harold também acredita que Quetzalcoatl era de Atlântida.
Compartilhando de mesmas crenças, alguns escritores de assuntos relacionados aos ‘astronautas do passado’, chegaram a conclusão de que os ‘deuses brancos’ foram na verdade seres extraterrestres.
O italiano Peter Kolosimo, disse acreditar que as lendas de Quetzacoatl teriam um forte apoio, e por isso ele afirmou que as lendas descrevem uma raça inteira de homens brancos que nasceram em espaçonaves e migraram para Atlântida, logo após a cidade/continente ter sido destruída pela fúrias das águas. Os sobreviventes foram para as Américas onde foram tratados como ‘deuses brancos’, pelos até então ‘primitivos habitantes locais’.

Bernardino-de-Sahaguan-To-no-CosmosUma outra teoria bastante interessante que não pode deixar de ser citada, é baseada nos escritos do frade Franciscano, Bernardino de Sahaguan, datados no século 16.
Bernardino relata o encontro entre o imperador Moctezuma Segundo com o capitão espanhol Hernán Cortés. Na primeira impressão dos espanhóis, Moctezuma pensou que os ‘deuses brancos’ haviam retornado do leste, e que Cortés era o deus Quetzalcoatl.
Por conta de sua crença, o imperador presenteou Cortés com uma máscara representando a “Serpente Emplumada”, com um sofisticado design constituído de cedro, turquesas, dentes feitos de conchas, e com duas serpentes, uma verde e outra azul, contornando os olhos e o nariz em torno da boca.

De onde iria a imaginação dos povos mesoamericanos tirar tal coisa, senão de suas próprias experiências?
Ao que tudo indica, além de ser uma prova de que os europeus não foram os primeiros estrangeiros a chegarem na América, parece também ser uma evidência de que seres de Atlântida, ou até mesmo de outros planetas, visitaram e mantiveram contato com os povos nativos da América.


De onde iria a imaginação dos povos mesoamericanos tirar tal coisa, senão de suas próprias experiências?
Ao que tudo indica, além de ser uma prova de que os europeus não foram os primeiros estrangeiros a chegarem na América, parece também ser uma evidência de que seres de Atlântida, ou até mesmo de outros planetas, visitaram e mantiveram contato com os povos nativos da América.deuses-americano-To-no-Cosmos

Autor: http://tonocosmos.com.br/